Doenças da Coluna

Modic

Sobre a Doença

Esse é o nome dado a alterações degenerativas na coluna vertebral encontradas em achados de ressonância magnética, identificadas e classificadas em três graus distintos pelo dr. Michael Modic, no ano de 1988.

Modic Tipo I – Alterações em forma de edema no platô vertebral adjacente a um disco que apresente degeneração.

Modic Tipo II – Quando, além do edema, existe substituição gordurosa no platô vertebral acometido.

Modic Tipo III – Nível máximo de degeneração apresentando esclerose óssea, que é um aumento na massa (endurecimento) da densidade do osso em uma camada imediatamente abaixo da cartilagem articular. O desgaste do platô vertebral, que caracteriza a alteração Modic, se dá devido à sobrecarga sofrida por causa da degeneração do disco intervertebral, que não consegue mais proteger a estrutura óssea da vértebra contra os impactos decorrentes de nossas atividades diárias.

modicExistem pesquisas recentes que sugerem a existência de fatores químicos relacionados ao processo inflamatório que influenciam na causa da dor. Além dessas substâncias químicas presentes no processo inflamatório, novas terminações nervosas seriam criadas na Placa Terminal Cartilaginosa e essas seriam corresponsáveis pela percepção da dor no Modic I. Porém, são apenas hipóteses, por enquanto.

É importante lembrar que o Modic bem como muitos outros achados degenerativos na coluna vertebral aparecem como consequência do nosso processo natural de envelhecimento e estão relacionados à nossa propensão genética ao desgaste e relacionados aos cuidados que temos com a nossa coluna. Os sinais clínicos são semelhantes aos de outras lesões degenerativas na coluna vertebral, como dores na coluna que provocam disfunções mecânicas e posturais adaptativas e aumento da tensão muscular adjacente.

Tratamento para Modic

Como formas principais de tratamento, temos a administração fármacos prescritos pelo médico especialista para combater o processo inflamatório e aliviar as dores. Como tratamento fisioterapêutico, devemos utilizar técnicas de fisioterapia manual, assim como a descompressão discal, visando à melhoria da nutrição cartilaginosa e do apor-te sanguíneo local. Diante da diminuição dos sinais clínicos, devemos iniciar exercícios para melhoria do controle motor nas zonas onde forem detectadas deficiências funcionais.

Artigos Relacionados